*PESQUISE*

Curta no Facebook

quinta-feira, 24 de julho de 2008

MAIS CRITICAS AO FILME!!!!

Reações: 



Durante a convenção de fãs em que foi realizada uma apresentação de Arquivo X: Eu Quero Acreditar, segundo longa-metragem da franquia Arquivo X, o criador Chris Carter disse que a única razão pela qual queria realizar o filme era "para mostrar Mulder e Scully sobre um novo ângulo". E foi exatamente o que fez.

Sem estragar qualquer surpresa, o resultado desse desejo é o maior mérito do filme: Ver... Ou melhor, rever, os dois agentes interpretados por David Duchovny e Gilliam Anderson uma década depois. É como reencontrar dois velhos conhecidos e notar como eles seguiram adiante. Bom, ao menos como ELA seguiu adiante. Sim, pois não seria Arquivo X sem a paranóica fé no sobrenatural de Mulder.

Essa motivação obsessiva do ex-agente do FBI é justamente a isca para "fisgá-lo" de volta ao trabalho. Bastou alguma esquisitisse apetitosa para que o barbudo e recluso Mulder saísse do quartinho abarrotado de recrtes onde "estava feliz feito um marisco". É como se ele tivesse vida própria (ao longo de nove temporadas de série televisiva deve ter mesmo) e os roteiristas soubessem exatamente que botões apertar para convencê-lo a voltar.

É especialmente boa a maneira como o filme resgata a dinâmica e o universo de Arquivo X recorrendo muito pouco às imagens consagradas do programa. Não há ternos, lanternas frenéticas, conspirações governamentais ou distintivos sendo mostrados a cada instante. Há, sim, duas pessoas que se lembram desses tempos com desconfiança e por conta disso relutam em voltar à ação. Relutância que desaparece em segundos quando fica claro que tal retorno pode salvar uma vida (e pelo bem da trama, claro).

Obviamente, a nostalgia existe (seria estúpido se não existisse), mas é mérito da produção não se apoiar nela como desculpa para o filme. As seis memoráveis notas da música-tema estão lá, abrindo o suspense, assim como a neblina, os pinheiros, acontecimentos misteriosos e a eterna dinâmica credulidade versus ceticismo do casal protagonista, o teimoso e a cientista. Fora isso há pouco do velho Arquivo X e a trama, que lembra um dos bons episódios de "monstro da semana" dos tempos áureos do programa, não comportaria muito mais mesmo... É prova disso a participação de Mitch Pilleggi, o Agente Skinner, que soa gratuita e sem propósito.

Só não tenho certeza se não-fãs da série extrairão qualquer coisa de Eu Quero Acreditar... Ele é focado demais em um conhecimento prévio de seus personagens para funcionar. E os elementos de maior apelo junto ao grande público devorador de suspenses não são suficientemente estimulantes. Há uma cena de ação e correria fraca, o resultado das investigações - ainda que bizarro - é pouco mostrado por medo de pegar uma censura mais alta e não há um antagonista suficientemente carismático (note ao final: O personagem que sai estampado no jornal mal foi mostrado!). Enfim, é um suspense apenas razoável. O que vale mesmo é o reencontro.

FONTE:SITE OMELETE

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails